Medidas de confinamento são realmente necessárias e efetivas para evitar a propagação do vírus?

É importante ressaltar que a COVID-19 é uma doença causada por um patógeno (microrganismo causador de doença) emergente (um novo patógeno), o vírus SARS-CoV-2. Atualmente não existe vacina, nem medicamento e não existe imunidade na população. Por se tratar de um patógeno de fácil transmissão, o vírus se espalhou rapidamente para vários países em um curto período de tempo. O surto da doença foi declarado como Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional em 30 de janeiro de 2020 e como uma Pandemia no dia 11 de março de 2020 pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Se não existe vacina, nem tratamento e muitas pessoas têm o risco de contrair a doença porque não possuem imunidade contra o vírus, então quais as medidas necessárias para evitar a propagação desta doença de uma forma eficaz?

Na ausência de vacinas e tratamentos são adotadas as Medidas de Saúde Pública Não-Farmacêuticas como formas de controlar a propagação da doença durante uma pandemia. E no que consistem essas medidas? Existem diferentes tipos de medidas nas quais são adotadas estratégias diferentes para diminuir o contágio da população que são classificadas em medidas de contenção, mitigação e supressão:

1. Contenção: nas medidas de contenção os esforços são voltados para controlar o contágio da doença quando os números de infectados ainda são baixos, ou seja, no início de uma epidemia. Atua-se preparando e treinando equipes de saúde, rastreando a doença, através de testes diagnósticos de casos suspeitos e isolando os casos confirmados para evitar a transmissão;

2. Mitigação: quando já não é mais possível ter o controle dos casos, pois a doença já se espalhou pela comunidade (transmissão comunitária) são aplicadas as medidas de mitigação. Nesse caso, as medidas empregadas têm o objetivo de diminuir a velocidade da transmissão da doença e proteger a população de risco (idosos, portadores de doenças crônicas e com baixa imunidade). Algumas medidas de distanciamento social são empregadas, como o fechamento de escolas, universidades, lojas e restaurantes e cancelamento de eventos em geral. Há também um aumento da vigilância sanitária com medidas de saúde em pontos de entrada como portos, aeroportos e passagens de fronteiras;