Quanto tempo o coronavírus fica viável em superfícies?

Não há evidências concretas que o coronavírus (COVID-19) permanece viável por algum tempo nas roupas. Flávio Fonseca, virologista e integrante do centro de pesquisas em vacinas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) afirma que “outros microrganismos causadores de doenças sobrevivem de 72 a 96 horas nos tecidos e, portanto, pode ser que os vírus se comportem da mesma maneira”.

          Contudo, o que se comprovou até agora é que a partir de gotículas expelidas por uma pessoa infectada (ao espirrar um indivíduo pode eliminar até 3000 gotículas de saliva no ar contendo o vírus) elas podem permanecer por horas ou até dias na superfície de diferentes materiais.

          Nesse contexto, um conjunto de pesquisadores de institutos e universidades dos EUA, publicaram um estudo na respeitada revista científica “The New England Journal of Medicine”. Este estudo avaliou quanto tempo o SARS-CoV-1 (causador da Síndrome Respiratória Aguda Grave de 2002-2003) e o SARS-CoV-2 (o novo coronavírus) permanecem em suspensão no ar e na superfície de diversos materiais. Para isso, eles pulverizaram esses materiais com os dois tipos de vírus, simulando o que aconteceria caso uma pessoa infectada espirrasse. 

          Os resultados mostraram que o SARS-CoV-2 permaneceu viável em aerossol durante toda a duração do experimento (3 horas). Este tipo de vírus foi mais estável em plástico e aço inoxidável do que em cobre e papelão, permanecendo vivo por 72 horas. Já o SARS-CoV-1 também foi mais estável em plástico, durando o mesmo tempo que o outro e 48 horas em aço inoxidável. Nenhum dos dois vírus foram viáveis após 4 horas no cobre e nem após 24 horas em papelão. 

          Estes resultados mostraram que o vírus é altamente transmissível, podendo permanecer viável por horas ou dias em superfícies de fácil contato no cotidiano das pessoas, como nos materiais estudados.


Por Marina Caçador Ayupe em 05/04/2020.